Drop Down MenusCSS Drop Down MenuPure CSS Dropdown Menu

20 de mai de 2015

Eu o conheço tão bem...

Nova narração. Uma história curtinha,mas tocante.
Por: LeMohamedAki



Eu o conheço tão bem.

Ele vai para a cama às dez, todas as noites. Ele se despede de seus amigos na internet e fecha seu laptop, pontual como um relógio, e, em seguida, ele troca de roupa e vai para a cama. Ele sonha, mas nunca se lembra o que foi. Quando ele acorda de manhã, ele está sempre sonolento, e ele se apressa para chegar à escola a tempo. Ele chega em casa às 03:36 da tarde e faz sua lição de casa, e, em seguida, ele retorna ao seu laptop. Ele gosta de balas de goma, filmes de terror e músicas com vocais gritados. Ele realmente não tem nenhum amigo além de mim, então ele mantém um pouco de erva em sua gaveta de meias para quando a solidão fica demais. Ele não sabe o que ele quer fazer depois da escola, mas ele sabe que ele quer ir viver em uma cidade grande. Londres, talvez. Ele é tão triste porque ele não percebe como ele é bonito. Eu não sei o que seria de mim se eu não o amasse. Eu não era nada antes dele.

Nós estamos vivendo juntos há 12 meses agora, e é bom. Eu costumava ser uma daquelas pessoas sem rosto com quem ele fala online, até que ambos percebemos que não poderiamos viver estando tão longe um do outro. Mudei-me para o outro lado do país para estar com ele, eu fiz tantos sacrifícios e não me arrependo de nada disso. Seus pais são bons, mas só passamos a maior parte do tempo em seu quarto. Não nos falamos como costumávamos fazer antes de me mudar, no entanto. Na maioria das vezes eu só o observo. É assim que eu sei muito sobre ele.

Hoje à noite, sua rotina mudou. Ele não toca no laptop, e só fica na cama com o rosto no travesseiro e chora. Eu estava preocupada, até que olhei para o calendário e percebi a data. Claro que ele está chateado;

Já faz um ano desde que eu me enforquei.

19 de mai de 2015

[CREEPY VIDEOS] Jogando Banned From Equestria (+18) - Que Delicia, Cara!

Tava no fluxo, avistei a pôneizinha no grau! Sabe o que ela quer?!

SIM, MEUS QUERIDOS! FINALMENTE, ESTAMOS DE VOLTA!

E pra comemorar este retorno, não só trazemos pra vocês o jogo mais pedido de todos os tempos do canal, mas também um novo formato pros videos. E sim, por ser um vídeo especial e muito esperado e pedido por todos, ele terá mais de 1 hora de duração (considere isso praticamente um longa metragem lol).

E já aviso desde já, preparem seus olhos, pois talvez vocês não estejam preparados pras cenas que verão a seguir. E se vocês queriam que a gente se traumatizasse... Bem, conseguiram.

Confiram! Se gostarem, não se esqueçam daquele like maroto e comentem ai embaixo o que acharam \o/


Link pro maldito jogo:

18 de mai de 2015

Sob a Coberta

Analisando o passado, eu diria que tive uma boa infância. Nada de ruim aconteceu comigo, quase nunca fiquei doente, nunca quebrei nenhum osso ou briguei com parentes quando eles faziam visitas. Eu era basicamente o filho “perfeito” (sem querer me gabar).

Exceto por uma vez... Eu visitava meus primos mais velhos quando presenciei o momento mais estranho que consigo me lembrar, e até hoje, ainda não consigo me convencer de que foi apenas minha imaginação.

Eu devia ter uns seis anos naquela época, mas ainda me lembro de tudo como se fosse ontem. Eu havia subido em cima de árvores a maior parte do dia, e, quando começou a anoitecer, nós entramos em casa. Meus tios haviam saído para jantar e nos deixaram sozinhos, e eu resolvi sugerir, “Vamos brincar de esconde-esconde!”.

Ás vezes eu me pergunto como seria a história se eu não tivesse sugerido isso.

Bom, era a vez do Alex de procurar, pois ele havia perdido no ‘pedra, papel e tesoura’, assim, Ray e eu fomos nos esconder.

Primeiro, tentei me espremer atrás do sofá, meu lugar preferido de ficar, mas estava mais perto da parede do que o normal, e por mais magro que eu fosse, não conseguia ficar lá.

Alex estava na metade da contagem, então, sem pensar, corri até o quarto deles e olhei ao redor, tentando achar algum lugar para me esconder, mesmo que não fosse tão bom quanto o anterior.

O quarto era bem bagunçado e eu resolvi me esconder debaixo da mesa, eu cabia direitinho... Qualquer coisa era melhor do que ser encontrado ainda procurando um lugar para se esconder.

Enquanto eu me abaixava percebi que minha outra prima, Ray havia chegado lá primeiro. Eu conseguia enxergar uma mecha do cabelo dela sob a coberta que ela se encontrava; Alex estava quase terminando a contagem, e eu, sem pensar, acabei me juntando a Ray.

Eu pedi para ficar perto dela, mas quando tentei puxar a coberta para me esconder, ela se afastou. Eu me aproximei novamente, falando um longo “pooor favorrrr”, mas ela continuou se afastando, tentando ao máximo evitar meu toque.

Tudo bem, eu pensei. Isso é justo, ela estava aqui antes de mim... Faz sentido que eu seja o primeiro a ser pego.

Eu disse que conseguia ver o cabelo dela, e ela se mexeu numa tentativa (falha) de esconder a mecha.

Acabei ficando lá, mas sem a coberta, e mesmo assim o lugar não era tão ruim. Tinha umas caixas na frente e eu não seria visto; eu me encostei um pouco no cobertor e sussurrei que era um bom lugar e a resposta de Ray foi se mexer embaixo da coberta. Foi então que ouvi Alex entrar no quarto, ele olhou ao redor, checando embaixo das camas que estavam em frente à mesa e eu prendi minha respiração.

Ele levantou e checou em outros lugares antes de sair do quarto; eu suspirei aliviado e sussurrei para Ray que tinha sido “por pouco” e Ray novamente apenas se mexeu embaixo da coberta.

Do lado de fora do quarto eu ouvi as vozes de Alex e Ray gritarem, “Ollie, ollie, cadê você?” vindo de outro cômodo. Então, eu comecei a levantar orgulhoso por não ter sido encontrado, e chamei a Ray, mas ela nem se mexeu.

Foi então que eu percebi que meus dois primos estavam gritando do outro cômodo, e foi como um choque na minha mente quando eu percebi que só eu e meus dois primos estávamos em casa.

O pânico correu em meu corpo como se fizesse parte de mim quando eu comecei a correr para fora do quarto e me deparei com os dois lá fora.

Eu tentei explicar da melhor maneira que pude que havia sim alguém no quarto comigo, e eles, é claro, não acreditaram em mim. Eu tentei levá-los para o lugar que eu havia me escondido, para provar que era verdade, mas não pude acreditar quando finalmente chegamos lá.

Não havia nada embaixo da mesa.

A coberta estava completamente vazia e jogada no chão.

Meus primos riram de mim enquanto eu procurava por todo o quarto, as caixas, perto da mesa e embaixo das camas; aquilo não podia ter sido apenas impressão.


Mas havia ido embora; depois de anos, eu ainda não tenho explicação sobre o que era aquilo... E francamente, eu estou feliz por nunca ter visto o que realmente estava sob a coberta.

Acho que meu marido fez alguma coisa com um dos gêmeos - FINAL PARTE I

Desculpem o atraso. Era para eu ter publicado no sábado, mas tive alguns problemas.
Se você não leu a história, aqui vão as 6 primeiras partes:







O final é divido em duas partes, aqui está a primeira...

_________________________________________________________________________________

Eu tive que tomar um remédio para dormir naquela noite. Depois de engolir o jantar e ligar para Phil, eu sabia que não havia nenhuma maneira de dormir sem intervenção medicinal. Meu despertador me acordaria às 6h, mas eu não precisava dele. Às 05h45min, eu estava de pé e vestida.

Fui até a casa em que eu tinha crescido. Ela ainda não tinha sido vendida, e eu ainda tinha uma chave. Eu me deixei entrar, achando estranho que, literalmente, tudo o que eu tinha vivido em casa por tanto tempo tinha desaparecido. Eu sabia em um nível lógico que tudo havia desaparecido, eu tinha visto os rendimentos do valor da venda dos bens entrar na conta fiduciária. Isso ainda era um choque.

Eu entrei na cozinha, ainda meio que esperando para ver a grande mesa oval. Todos os dias da minha infância eu descia as escadas meio grogue e fazia o meu caminho até a cozinha para o café da manhã. Todos os dias meu pai sentava-se à mesa com sua calça e camisa Oxford, lia primeiro os esportes, em seguida a seção política do jornal, enquanto bebia duas xícaras de café preto. Exceto nos fins de semana, quando ele se sentava em sua calça jeans e tomava outra xícara de café. Ele opinava sobre o quão bem as equipes locais estavam indo, e como os políticos estavam se tornando mais corruptos a cada dia. Minha mãe murmurava parecendo concordar com tudo o que ele dizia ao fazer o meu almoço, então eu sentava lá e comia cereal frio. Eu abri o armário à esquerda da pia e olhei toda a parte de trás. Certamente, lá estava o "NÃO!" que eu tinha rabiscado a lápis quando tinha doze anos; protestando contra a punição que mamãe tinha me dado por ter me pego numa mentira: lavar à mão toda a louça dos armários. Cada prato, tigela, copo, vidro, pote, panela e caçarola.

Entrei na sala de estar, o começo do centro do entretenimento, a marca da mesa de café ainda era visível no tapete. Quantas noites tinha me sentado entre meus pais assistindo a reprises de Carol Burnett? Assim que TV a cabo tornou-se mais facilmente disponível, meu pai se tornou viciado em HGTV e Food Network. Ele gostava de jogar taco no jardim e adorava cozinhar. Ele não era nenhum Emeril Lagasse, mas por Deus, ele tentava. A mamãe adorava dramas sobre crimes. NYPD Blue, toda a série Law & Order, The Shield, Poirot, até mesmo Assassinato Por Escrito. Ela amava todos esses seriados. Lembro-me de meus pais levemente horrorizados quando eu assistia MTV, e meu pai comentando que a minha geração tinha perdido a sua "mente coletiva”. Mamãe tinha empertigadamente informado que eu não colocaria o meu piercing no umbigo "como aquelas meninas na TV" a menos que eu me sustentasse com a minha própria renda.

Com minha mão levemente sendo passada pelo corrimão, caminhei até lá em cima. Como eu me lembrava, o terceiro degrau do topo guinchava, a menos que você desse um passo para a extrema esquerda - uma dica útil quando você está se esgueirando de volta depois do toque de recolher. O banheiro tinha sido repintado pela enésima vez, enquanto eu era criança e adolescente minha mãe tinha repintado e redecorado pelo menos uma dúzia de vezes. O escritório ainda cheirava como uma combinação de livros velhos, fita adesiva e óleo de laranja usado para polir a mesa. Era lá que meu pai se sentava por horas com sua calculadora antiga, olhando o relógio com o cenho franzido. Ele levava o jornal de domingo para seu escritório no andar de cima e meticulosamente recortava cupons para tudo - sabão em pó, carne moída, mistura de bolo, chame como quiser. Se houvesse um acordo para ser feito - você pode ter certeza que ele faria.

Eu me encontrei em meu antigo quarto, ainda pintado com um laranja horrível. Quando eu era aluna do primeiro colegial, eu implorei aos meus pais para me deixar redecorar meu quarto. Usando o dinheiro que eu tinha guardado a partir de trabalhos de verão, eu tinha comprado um jogo de cama laranja com cortinas combinando, um tapete, e repintado meu quarto com a tinta laranja medonha. Na época, parecia legal, mas como adulta ele me deu uma dor de cabeça instantânea. Eu fiz uma anotação para contratar pintores para pintar de branco e ajudar a melhorar o valor de revenda. Para mim, cores de tinta não são um grande negócio, mas quem sabia o que poderia fazer a casa ser vendida mais rápido? E se isso fizesse a minha conta engordar e me ajudasse a chegar mais perto de encontrar e deixar Phil, então gastar 100 dólares em um pintor seria um dinheiro bem gasto.

Por fim, o quarto dos meus pais. Eu estava exatamente no meio do quarto, inalando os aromas de minha memória. Eu me inclinei para a direita, desejando sentir o cheiro do lírio e rosa, perfume que minha mãe usava todos os dias. Na minha mente, eu via a vaidade à moda antiga onde ela se manteve, com o vidro de óleo de amêndoas, a vaselina que ela espalhava em vez de loção. Foi lá que eu aprendi a aplicar rímel, sob seu olhar atento. Foi naquele banco que eu gritei meus medos, enquanto ela se sentava em sua cama. Nesse banquinho ela explicou o que a mancha vermelha na minha calcinha significava, e como usar um absorvente interno, nós duas gaguejando e coradas. Quando criança, eu adorava vê-la se preparando para sair com o papai. Mesmo que ela sempre usasse o mesmo vestido azul e sapatos pretos, ela sempre pareceu tão glamourosa ao aplicar blush e batom.

Virando-me, eu jurei que eu podia ver o copo de água que meu pai sempre manteve em sua mesa de cabeceira ao lado de sua National Geographic e óculos de leitura. Pegar a revista National Geographic foi como um feriado com o pai e eu. Eu arrancaria a embalagem e esperaria o pai voltar para casa. Depois do jantar, nós dividiríamos uma tigela de sorvete enquanto folheássemos as páginas brilhantes. Eu aprendi sobre as florestas tropicais do Brasil, os desertos da China, múmias, animais numerosos demais para contar, e as pessoas que vivem em partes do mundo que eu só podia sonhar. Quando fiquei mais velha e eu me tornei legal demais passar um tempo com meu pai, eu não teria sequer me preocupado em levar a revista para cima. No entanto, não muito tempo depois que me formei da faculdade, eu fiz minha própria assinatura.

Eu me encostei em um canto e solucei. Enormes e feios gemidos palpitantes. Tantas noites eu tinha me enfiado em sua cama depois de um sonho ruim, segura e confortável entre o ronco dos meus pais. Por outro lado, ouvi-os discutir e chorar ao longo dos anos. Normalmente, era meu pai dizendo que mamãe estava gastando muito com bugigangas (tivemos uma coleção cada vez mais rotativa do kitsch nas paredes e prateleiras), mamãe retrucava dizendo que ele era muito mão de vaca, e o meu mais recente incidente foi um sinal de que eu estava fora de controle. (Para aqueles perguntando, esgueirar-se para encontrar o seu namorado mais velho quando você é um calouro é um voto sim automático de seu pai.) Eu ouvia através das paredes, querendo saber se eles se divorciariam como tantos de meus colegas de escola. Eles nunca se divorciaram, obviamente, embora tivéssemos alguns cafés da manhã tensos. Eles estavam em seu caminho para ver seus novos netos quando suas vidas tinham sido tão cruelmente interrompidas

Meu pai, sempre um velho rabugento, tinha um lado que só mamãe e eu víamos. Para seus colegas, ele era o cara que era meticuloso sobre os seus relatórios e planilhas. Aos meus amigos, meu pai era o único que tinha os números de telefone de todos os pais e não hesitaria em começar a ligar se eu estivesse mais do que cinco minutos atrasada. Para o caixa do supermercado, ele era o ponto baixo de seu dia: aqui vem o cara com um envelope gordo de cupons e um cartão do clube, pronto para espremer cada último centavo de poupança. Mas em casa, meu pai era o cara insistindo que tentássemos qualquer nova receita que tínhamos encontrado em uma revista. Papai era o homem que ia cobrir todas as superfícies disponíveis na cozinha com ingredientes, assobiando enquanto inventava qualquer entrada que enfeitaria a nossa mesa. Papai era o homem que iria dividir uma taça de sorvete com sua filha e responder suas perguntas intermináveis ​​sobre os padrões de migração da borboleta monarca que ela aprendeu em uma revista National Geographic. Ele era o marido que nunca parou de dizer a sua esposa como ela era bonita, mesmo que ele já tivesse visto o mesmo vestido, sapatos e corrente de ouro uma centena de vezes. A minha mãe poderia ser um pouco obcecada com seriados policiais e iria tentar discutir os méritos de um "caso" com o papai e eu. Ela sabia que poderia dizer quem era o culpado dentro de dez minutos. Mamãe também era incrivelmente dedicada a mim, sua única filha. Quando eu estava grávida, ela confidenciou que tinha tentado ter outro bebê poucos anos depois que eu nasci, mas isso simplesmente nunca aconteceu. "Então, eu só derramei tudo o que eu tinha em você." E ela fez, isso que ela fez. Mamãe pacientemente me ensinou a ler, lendo para mim todas as noites um capítulo da série "Little House on the Prairie". Foi a mamãe quem me ensinou a andar de bicicleta, ela que fazia o curativo em meus joelhos e cotovelos ralados. Mamãe me ajudava com cada pedaço de lição de casa, todos os projetos de ciência, cada resumo de livro. Ela pacientemente deixava-me fazer seu cabelo e maquiagem como uma menina, mesmo que o resultado fosse menos "Revlon" e mais "Pennywise". Quantas vezes como uma adolescente eu tinha chorado e desabafado sobre meninos, sentando-me no banquinho da penteadeira enquanto ela se sentava na beirada da cama, balançando a cabeça sabiamente? Mamãe iria me abraçar depois que a tempestade passasse, esfregaria minhas costas, me diria que eles eram a escória, e me faria um delicioso Dr. Pepper com limão.

Me recompus e olhei meu celular, surpreendida em quanto tempo tinha passado. Eu ainda tinha algumas horas, mas eu percebi que não iria doer tentar. Foi um pouquinho de uma caminhada para a felicidade, mas eu literalmente não tinha mais nada para fazer hoje. Parando em um Starbucks para um café, eu vagava e ouvia o tilintar do sino contra a porta de vidro.

"Alex está?" Eu perguntei a um garoto adolescente com um maço de papel toalha em uma mão e uma vidro de desinfetante na outra.

"Ele está no escritório, vou chamá-lo. Ele está esperando por você?" O garoto colocou seu material em uma mesa de de vidro bonita que em outras circunstâncias eu provavelmente nem teria notado.

"Sim, diga-lhe que é Isabelle sobre a compra que William e Sandra [em branco] fizeram no ano passado." Eu virei o copo de papel em minhas mãos nervosamente. Alex não tinha me parecido um tipo particularmente amigável de cara, e ele certamente não tinha a obrigação de me dar as informações. É verdade que Nova Inglaterra pode ter um tipo de gente rude, mas eu nasci e cresci em New Hampshire e vivi em Boston. Esse cara só me pareceu... espinhoso. Eu só esperava que eu não estivesse lhe dando nos nervos.

Por sorte, Alex estava de um modo totalmente amigável.

"Isabelle, eu achei o que você quer, entre." Alex gritou de sua porta. Eu serpenteava meu caminho em torno de mesas, sofás e cadeiras para um escritório apertado com uma mesa de metal cheia de arranhões e uma cadeira velha que tinha visto melhores décadas.

"Eu sei que cheguei cedo, eu me adiantei e imaginei que não faria mal tentar." Eu disse num tom de pedido de desculpas, colocando minha bolsa no chão.

"Eu disse que encontrei , então não se preocupe. Lembro-me agora, foi a sua mãe que veio aqui. Sandra. Eu a chamei de 'Sandy' e ela me disse que era 'Sandra', não 'Sandy'. De qualquer forma, eu encontrei o recibo de venda. Uma mesa de troca e dois berços de madeira amarelos. Eu preciso manter o recibo original. Receita Federal, sabe. Mas aqui está uma cópia para você."

Alex deslizou um recibo escrito à mão a partir de um livro de recibos de cópia de carbono. Meu coração bateu forte no meu peito. Minha boca ficou seca enquanto a minha garganta se fechou. Eu podia ouvir o sangue correndo em minhas orelhas, e as minhas mãos haviam sido paralisadas. Eu tremia enquanto segurava o papel na minha frente, não acreditando no que estava vendo.

BERÇO MAD. AMAR. X2 $349,15 (698,30)

MESA TROCA AMAR. $151,43

849,73 PG #1543, SANDRA [EM BRANCO]

Eu não sabia o que fazer ou o que pensar. Eu esperava que minha investigação me levasse a isso, mas eu acho que eu não pensei que isso iria realmente acontecer. Eu murmurei algo para Alex, coloquei o recibo na minha bolsa e explodi pela porta. Eu corri por três quarteirões antes eu tivesse que parar em um beco e vomitar. Me levantei e encostei na parede. Minha cabeça estava girando e minhas pernas estavam fracas. Eu me senti como se estivesse bêbado. Jessica era real. Eu não tinha a imaginado. O que tinha acontecido com ela? Onde ela estava? Ela estava bem? O quão profundamente envolvido o Dr. Keats estava? Eu não sabia por onde começar.

Voltei para o estacionamento do hotel, dirigindo ao escritório de advogados. Eu não tinha marcado hora e eu sabia que ia ser muito difícil ver Renée. Pamela, sua assistente confirmou que ela estava com um cliente. Droga.

"Pamela, talvez você possa responder à minha pergunta. É bastante fácil." Aproximei-me mais da mulher que dolorosamente me fez lembrar de minha mãe. Pamela tinha os mesmos olhos que ela, aqueles olhos que sorriam a tudo o que viam.

"Bem, eu posso certamente tentar Isabelle." Pamela inclinou-se para trás, sorrindo hesitante.

"A conta foi criada quando eu era uma criança, pelo que entendi. Se Phillip e eu nos divorciássemos, ele não teria direito, certo? Porque ela foi criada para mim antes de nos casarmos?" Eu cruzei meus dedos mentalmente, esperando que ela confirmasse os meus sentimentos.

"Não, não é bem assim. Massachusetts não é um estado de propriedade da comunidade; o que significa que se os dois não puderem chegar a um acordo sobre a forma de dividir o seu patrimônio, o tribunal vai fazer isso por você. Mesmo se eles permitirem que você mantenha 100%, eles ainda vão usá-lo para calcular apoio à criança e pensão alimentícia. Como a casa ainda está em seu nome, o que é levado em conta, embora você provavelmente ficaria com ela no caso de divórcio; por falta de um termo melhor." Pamela tinha ido de um olhar incerto para um olhar totalmente desconfortável. "Você, obviamente, precisa de um grande advogado do divórcio, mas de improviso, eu diria que você iria pagar-lhe pensão alimentícia. É calculado apenas dos rendimentos. Devo fazer uma entrevista com a Sra. Harvey?"

Eu balancei minha cabeça. Virei-me para sair, mas depois tive mais uma ideia:

"Pam, se fosse para ligar e perguntar o que eu tinha discutido com você ou Renée, ou mesmo que eu estive aqui, o que você diria a ele?"

"Isabelle, você é nossa cliente. Não podemos discutir qualquer coisa com ele. Não é da minha conta, mas eu tenho a nítida impressão de que ele poderia causar problemas se ... Phillip soubesse que você esteve aqui. Nós não discutimos nem mesmo os elementos de seus compromissos com o seu marido. Isabelle, se você não está segura, há lugares que você pode ir." Pamela colocou uma mão suave e macia no meu braço.

Meus olhos inundados de lágrimas, e eu balancei minha cabeça. Eu disse que eu estava bem e sai do escritório.

Uma vez eu estava seguramente abrigada em meu quarto de hotel, eu vomitei mais uma vez. Eu sabia com cada fibra do meu ser que eu não poderia me divorciar de meu marido. Ele iria me matar antes de ele me deixar fora de seu alcance. E considerando que eu não tinha ideia do que aconteceu com a minha filha (Jessica nunca mais será referida como o nossa), eu não tinha sabia o que ele seria capaz de fazer para o meu filho. É verdade, Phillip queria um filho mais do que qualquer coisa, mas somente se ele pudesse controlar Harry.

Eu não queria pensar sobre o que tinha acontecido a Jessica, mas eu fui forçada. Eu sabia que a escravidão branca era um problema, mas grande parte girava em torno de pré-adolescentes e adolescentes ... Mas então quem sabia que fantasias depravadas espreitavam nas trevas do mundo? Eu tinha lido um livro, há vários anos, sobre uma mulher que tinha sido vendida como escrava por seus pais. Eles eram analfabetos, vivendo em um barraco nas colinas da Virgínia, e tinham sete outras crianças. Um advogado rico tinha se oferecido para "adotar" ela e pagar a seus pais dez mil dólares. Ainda bebê, ela foi levada para o Egito e durante os primeiros anos viveu muito feliz em um local que descreveu como um palácio. Mas, em seguida, ela foi usada como uma escrava para o trabalho e... outras coisas. O pensamento de meu bebê sendo usado na escravidão provocou um grito primitivo vindo de minhas vísceras.

Eu iria encontrar a minha filha. Eu não me importava se ela estava em Gana ou abaixo de seis pés de sujeira, eu iria encontrá-la e abraçá-la.

E eu iria matar o meu marido.

No entanto, eu tinha visto seriados policiais suficientes com minha mãe para saber que fugir depois do assassinato era muito mais fácil que cometer assassinato. O cônjuge era sempre o primeiro suspeito; e com razão: era quase sempre o agressor. Eu tinha que pensar nesta parte do meu plano, enquanto simultaneamente descubro onde minha menina estava. De repente, minha miséria transformou-se em determinação.


Eu sabia que Dr. Keats estava envolvido de alguma forma, mas quão profundamente era outra questão. Ele havia entregado Phillip e Leslie, e agora Harry e Jessica. O que Phillip teria dito para levar o meu precioso bebê embora? Eu tive que pensar em vê-lo, o que não seria difícil. Obter meus registros dele seria. Eu brevemente pensei em roubá-los, mas eu não queria ser pega com eles comigo, nem por um segundo. Eu arrisquei e disquei para seu escritório:

"Escritório do Dr. Keats, aqui é Lilith, como posso ajudar?"

"Oi, Lilith aqui é Isabelle, eu preciso agendar uma consulta com o Dr. Keats, por favor."

"Claro que sim, eu posso colocá-la em espera por um momento?" Eu tinha um plano, e eu sabia exatamente como ver meus registros.

"Isabelle, que história é essa de um consulta?" Perguntou Dr. Keats.

Merda! Isto não era parte do plano!

"Oh, oi doutor! É o seguinte, é que Phillip não sabe que eu estou ligando. Mas como você sabe, o nosso filho tem quase um ano agora, e eu quero discutir sobre ter mais filhos. Mas eu quero fazer todos os exames primeiro. E se tudo parecer bom, então estou pensando em falar com Phillip sobre engravidar novamente. Eu sei que é prematuro, mas eu gosto do nome Alexei." Eu ri para completar, sabendo que em poucos segundos depois de desligar o telefone ele estaria ligando para meu marido se ele já não enviou um SMS.

"Alexei? É um nome interessante. Bem, Isa, eu acho que é uma boa ideia, em geral, para as mulheres fazer exames antes de tentar engravidar novamente. Eu acho que você deve conversar com Phillip, mas seu casamento é da sua conta. No entanto, por que você não vem na próxima segunda-feira, às dez e nós vamos fazer tudo que for necessário?" Dr. Keats claramente não tinha ideia de que sugerir o nome Alexei a essa família amaldiçoada era um insulto. Eu confirmei a consulta e desliguei.

No momento em que eu cheguei em casa, eu sabia que o meu amado ia morrer pela minha mão. Quando nos casamos, o padre citou que frequentemente usava um trecho da Bíblia do Corintios: "O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá" E isso era verdade - meu marido iria desaparecer, mas o amor para os meus filhos não iria. Eclesiastes teve um pequeno verso que dizia: "Para tudo há uma estação, e um tempo para todo propósito debaixo do céu: tempo para nascer; e um tempo para morrer." Bem, se fosse esse o caso, então Deus, em Sua infinita misericórdia iria proteger esse homem do que eu tinha planejado para ele.

Phillip me encontrou na porta e prontamente me entregou Harry. Eu segurei meu menino doce mais perto do que nunca, sabendo que seu pai iria sacrificar nós dois para manter seu segredo. Eu silenciosamente prometi que eu iria encontrar sua irmã e iria nos tirar daqui. Olhei para Phillip, que não estava claramente feliz comigo.

"Eu recebi um telefonema interessante do Dr. Keats esta tarde." Disse Phillip, sua voz cheia de veneno. Eu sabia que ele iria te ligar, filho da puta, por que você acha que eu liguei para ele? Eu pensei.

"Ok, bem, considerando que você sabe do que se trata, por que você parece um bebê chateado?" Fingi inocência com olhos arregalados; abaixando minha cabeça um pouco e mordendo meu lábio inferior.

"Não tenho nenhum problema com você me dando mais filhos. Mas, para começar, você nunca, nunca dará a meu filho o nome de Alexei, você me entende, porra? Como você se atreve até mesmo a sugerir isso? O nome de um príncipe fraco?! Não. Meu próximo filho se chamará Alexander. Fim de papo. Em segundo lugar, eu não tenho nenhuma garantia de que você vai me dar outro filho. Você ainda tem que engravidar novamente e mesmo se você conseguir, o que garantia que você pode me dar que você vai ter um menino? Hmm? COMO VOCÊ PODE GARANTIR, ISABELLE ?!" Phillip gritou na minha cara, me fazendo estremecer e reconsiderar meu plano, enquanto Henry começou a gritar. Eu beijei meu filho na cabeça e acalmei-o, chorando junto com ele.

"Phillip, eu mencionei esse nome como uma piada, eu sinto muito. Claro que nós nunca chamaríamos o nosso filho de Alexei! Eu não sabia que você ia ficar assim! E sobre eu não ficar grávida de novo, às vezes casais perfeitamente saudáveis conseguem antes do esperado! Por que você acha que eu agendei a consulta? Porque eu quero te dar filhos! Mas não, eu não posso prometer que vou te dar filhos, ninguém pode! Eu não posso controlar quais cromossomos desenvolver! O que você quer que eu faça? Você quer discutir adoção talvez?" Eu estava me agarrando em palhas e nós dois sabíamos disso.

"Adoção? E criar um bastardo? Como diabos saberíamos o que está errado com sua linhagem. Ah, claro, eles dizem que a mãe e o pai são bons, mas eles podem mentir só para impingir a criança em você. Não, Isabelle, eu não vou trazer alguma criança vira-lata para nossa família. Ou é meu ou não é de jeito nenhum. Você irá engravidar, e você fará uma amniocentese. Eu conversei com o Dr. Keats, você poderá fazer com 11 semanas, e ele vai dizer se você tiver feito o seu trabalho ou não. Se você não tiver, o problema será eliminado. Não se engane, meu pequeno doce, minha esposa querida, você não vai me deixar. Eu não cheguei onde eu estou em minha vida para tolerar meu fracasso, e não é só porque você é minha mulher que significa que você terá qualquer folga. Pelo contrário, você está presa a um padrão mais elevado." A mão de Phillip estava trancada em um quase-aperto em meu queixo, seus olhos tão duros quanto granito e perfurando os meus.

Eu estava completamente, totalmente, inteiramente apavorada. Eu tinha me casado com uma abominação. Eu era como sua mãe. Eu não era mais do que o estoque muito fértil. A diferença era, ao passo que Louis era apenas um bastardo cruel, Phillip era um cruel e calculista assassino. Se eu engravidasse de uma garota mais uma vez, mais cedo ou mais tarde, o problema a ser "eliminado" seria eu - e seria permanente. Eu balancei a cabeça, tanto quanto eu podia e ele soltou o aperto da minha mandíbula. Eu finalmente falei:

"Phillip, meu Rei, meu amor, meu tudo. Por favor, acredite que eu quero nada mais do que agradá-lo e dar-lhe tudo que você já queria - apenas como uma mulher deve fazer, e eu sei o meu lugar. Você deve acreditar em mim, Phillip, por favor. Eu não quero te tirar nada, mas te dar filhos e herdeiros, assim como sua mãe deixou de fazer, eu não vou deixar você. Eu não vou parar até eu lhe dar mais filhos. Isto pode soar estranho, mas eu nunca estive mais lúcida na minha vida." Eu engasguei essas últimas palavras, todo o meu ser foi insultado por ele. O rosto de Phillips assumiu uma expressão de satisfação e curiosidade, então eu mergulhei nisso, tentando agir da melhor maneira possível, sabendo que a vida do meu filho e a minha dependia desse desempenho e das performances subsequentes, eu fui forçado a fazer.

"Quero dizer que, vendo você assumir o controle assim, ser tão dominante? Baby, eu vou colocar Harry em seu berço, e então você irá me foder. Você vai me punir e me foder, dolorosamente, e por a sua raiva para fora. Phillip, leve-me, eu te quero tanto." Eu dei um passo para mais perto dele, abaixando minhas pálpebras com um ar de sedução.

O monstro com quem eu tinha casado olhou para mim apenas brevemente antes de agarrar meus cabelos dolorosamente e me beijou tão forte que na manhã seguinte eu tinha hematomas em minha boca. Senti a bile subir na minha garganta e engoli. Ele concordou e me dispensou com um breve aceno de cabeça. Eu andei lá em cima, pensando que eu nunca tinha em meus piores pesadelos conjurado isso. Eu estava negociando meu corpo para as nossas vidas, e bajulando a uma criatura do mal, vomitando mentiras como uma mangueira de incêndio.

Eu acordei na manhã seguinte, machucada e sangrando. Cada músculo do meu corpo gritou em protesto quando eu me sentei. Phillip fez exatamente o que eu sabia que ele ia fazer - me puniu de um modo como ele jamais imaginou punir uma mulher. Eu sei que algumas pessoas praticam sexo violento, mas é mutuamente agradável e consensual. Ontem à noite eu estava sendo batida, mordida, e puxada até que ele viu os hematomas e sangue. E toda o tempo eu gritava e gemia como uma estrela pornô.

Eu nunca tinha me odiava tanto.

Phillip agitado ao meu lado, olhava presunçosamente satisfeito em sua obra. Olhei para ele, ronronando:

"Eu sei o comercial diz que Folgers é a melhor parte de acordar, mas se você continuar deitado e me deixe fazer o trabalho, eu vou provar que estão errados."

"Eu sabia que você ia ser perfeita para mim, mas você está provando a mim ser mais e mais." Phillip murmurou enquanto eu montei-o bruscamente. Ele mordeu meu lábio quando ele me beijou, tirando sangue novamente. Eu chorava de dor, que terminou felizmente para ele.

"Vista-se, nós temos que ir para o Dr. Keats." Ele disse casualmente, como se ele não tivesse acabado de me fazer sangrar pela enésima vez em menos de 10 horas.

"Mas ... eu pensei que era na segunda-feira?" Eu gaguejava. Hoje era sábado, deveria estar fechado.

"Eu mudei, o bom médico e eu nos encontraremos depois Þ um longo tempo. Ele era um velho amigo de meus pais, você sabia disso? Além disso, não pode desfilar em público com esse olho roxo. Não que você não tenha gostado, minha doce Isabelle."

"Oh, é claro! Como foi estúpido da minha parte! Você está certo, eu estou contente que ele está sendo tão complacente. Será que ele vai dizer algo sobre isso... tapas de amor?" Eu sorri, e considerando que ele estava comendo como uma criança faminta, eu diria que minhas habilidades de atuação foram espetaculares.

"Dr. Keats? Ah, não, se ele vai dizer alguma coisa eu o colocarei em seu lugar. Sabia que ele é um descendente direto de Eugene Botkin, o médico da corte da família Romanov? Sim, é por isso que ele e meu pai eram tão bons amigos. O Dr. Botkin amava aquele pequeno aleijado Alexei mas Keats, ele não iria cometer o mesmo erro. Enfim..." Phillip riu, puxando sua camisa.

"Como ele chegou a conhecer seu pai? Foi porque sua família está relacionada com a Romanov e ele estava relacionado com o seu médico?" Inclinei a cabeça, correndo um pente pelos meus cabelos - que graças a Phillip estavam mais finos depois dos punhados puxados na noite anterior.

"Bem, sim, é uma longa história. Você está quase pronta? Enquanto você termina de se arrumar vou aprontar o Henry." Phillip deu um beijo na minha cabeça ferida enquanto eu pegava a minha escova de dentes. Assim que ele saiu do quarto eu fechei a porta do banheiro e arranquei o DIU, sem pensar duas vezes em qualquer dano irreparável que eu pudesse ter acabado de causar a mim mesma. Na verdade, eu esperava que tivesse causado. Danificado não era o mesmo que morto.

Uma vez no escritório, que estava assustador com as luzes apagadas, exceto por seu escritório e sala de exame, Dr. Keats perguntou com que frequência nós tínhamos nossos momentos de intimidade, se eu menstruava regularmente, e declarou que meu sistema reprodutivo estava saudável. Depois que eu coloquei meus jeans de volta, perguntei ao bom médico:

"Phillip disse que nós podemos fazer a amnio com 11 semanas para ver se nós estamos tendo um menino. E se nós não estivermos? O que faremos? Nós não queremos meninas nessa família." Os olhares trocados pelos dois confirmaram que Dr. Keats estava de alguma forma envolvido pelo motivo de Jessica não estar em meus braços.

"Bem, há algumas coisas que podemos fazer. Uma deles é o aborto, obviamente. Ou você pode levar a gravidez e fazer uma adoção particular. Lotes de dinheiro seriam feitos dessa maneira. É o que eu chamaria de transformar o negativo em positivo. Phillip, quais são seus pensamentos?" Dr. Keats olhou com expectativa para ele, claramente eu não teria voz em qualquer decisão a ser tomada.

"Sabe... não é como se isso nunca tivesse sido feito antes. Quero dizer, não por mim, mas no passado. De quanto dinheiro estamos falando?" Puta. Merda. Eles estavam discutindo vender o meu bebê da mesma forma que outros iriam discutir o que comeriam no almoço!

"Acima de cem fácil. O advogado é, basicamente, um corretor se você quiser. Os pais pagam todas as minhas taxas e os honorários advocatícios, além da 'taxa de indicação' se você quiser. Recebo cinco por cento, o advogado recebe quinze, você fica com o resto. Essas pessoas não querem esperar por uma aprovação formal. E nunca constará nos documentos que Isabelle estava grávida, não haverá nenhum registro formal de qualquer assistência pré-natal, os pais serão listados na certidão de nascimento - não você. Considerando que você está interessado, oficialmente, isso nunca aconteceu." Dr. Keats explicou, e foi aí que eu soube exatamente o que havia acontecido com Jessica. Meu bebê tinha sido vendido para o maior lance, enquanto os meus registros foram esterilizados. Rezei para que quem tinha comprado a tratasse bem.

"Se ela ficar grávida de uma menina, eu não ficarei feliz, então isso é o que vamos fazer". Virando-se para mim, acrescentou: "Mas você não vai estar fora do jogo, Isabelle. Eu ainda vou te considerar um fracasso."

"Bem Phillip, mas cem mil dólares vai ajudar a aliviar a dor, não vai? Dr. Keats, esta é uma boa notícia. Eu suponho que você tenha um advogado em mente? Não que eu esteja pensando em gerar uma menina, mas eu quero ter todas as minhas possibilidades cobertas." Eu parecia literalmente uma nazista enquanto estes dois homens eram a semente de Satanás e Hitler.

"Eu tenho. Seu arroz com feijão é a lei de apoio à criança. Ele é basicamente um advogado de direito da família, por isso ele tem as conexões certas. De qualquer forma, nós estamos falando do pior cenário. Vou deixar vocês sairem daqui e chegar a fazer alguns filhos!" Ele riu e nós fomos embora.

Eu sabia exatamente a que advogado ele estava se referindo, vi seus anúncios e outdoors por toda Boston. E agora eu sabia exatamente quem tinha vendido o minha filha. Não era incomum para os médicos e advogados de direito de família estar em conluio. Os advogados pagavam aos médicos para serem peritos nos julgamentos e audiências de divórcio e custódia. Em contrapartida, se o paciente mencionasse que ela estaria recebendo um divórcio o médico iria encaminhá-los para que o advogado. Não era estritamente legal, mas não era tecnicamente ilegal também.

Naquela noite eu decidi que os meus planos seriam colocados em ação. Eu não ia esperar mais. Eu não pudia. Meu marido tinha vendido minha filha. Eu só podia esperar que as pessoas que compraram a amassem. Eu sabia que ele me mataria se eu engravidasse de uma garota mais uma vez. Quando criança, eu costumava virar meus olhos quando a mamãe trocava as séries policiais por livros. Mas pelo resto do meu dia, lembrei-me várias cenas e fatos de diferentes livros para me ajudar a formular o meu plano. Até o final do dia, eu tinha o meu plano estabelecido.

Uma vez que Henry estava na cama, peguei Phillip e puxei-o para o quarto. Eu havia recriado a noite anterior, certificando-me que ele estava tão rude quanto antes. Eu olhei para a porta de vidro do armário que mantinha seus livros e prêmios, e eu estava satisfeita com o que via. Eu vi uma mulher com um olho roxo, sangue em seu lábio, e tantos hematomas que sua pele parecia uma onça. Eu raspei minhas unhas por sua bochecha, o que me rendeu um punhado de cabelo perdido. Tudo estava indo conforme o planejado. Eu estava fazendo a melhor atriz pornô possível quando o senti tenso. Eu conhecia meu marido, e eu sabia que ele iria jogar a cabeça para trás, com os olhos fechados.

Eu senti a maçaneta da gaveta da mesa, abrindo-a e procurando pelo punho do revólver antigo. Meu marido foi meticuloso em onde guardava coisas: sempre no mesmo lugar; e o revólver era mantido sempre na primeira gaveta. Eu peguei o cano e virei com toda a minha força em direção a sua têmpora.

O “CRACK” foi gratificante! Confirmou que eu a tinha destravado. Phillip estava apenas momentaneamente atordoado, mas foi o suficiente para tirá-lo de cima de mim e derrubá-lo ao chão. Eu peguei a arma e atirei no joelho. Phillip gritou furioso, em agonia.

"QUE PORRA VOCÊ ESTÁ FAZENDO, SUA VADIA LOUCA?”

Eu peguei a arma novamente, mantendo-a apontada para ele e dei um passo para trás, ficando distante o suficiente para que ele não pudese me pegar.

"Meu amado marido, onde está Jessica? Agora lembre-se, eu sei a resposta. Eu sei que você e Dr. Keats trabalharam com aquele advogado filho da puta para vendê-la. Eu vi os registros médicos de Dr. Whiting, eu estava grávida de gêmeos. Eu vi as ultrassonografias. Sim, acontece que só porque um centro de imagem sai do negócio não significa que seus registros somem. Foi um grande esforço matar Dr. Whiting, mas apenas alguns de seus registros foram enviados para Keats. Então não tente me enganar, seu filho da puta. Porque para cada resposta errada você me der, eu vou despejar outra bala em você. Eu tenho a caixa de munição aqui. Agora, comece a falar." Eu sacudi a caixa de balas e a arma apontada para seu peito. Eu esperava que ele não notasse meu blefe, mas se ele notou... Certo, qual de nós segurava a arma?

"Sua vagabunda estúpida, você nunca vai encontrá-la. Ela está muito longe, e eu estou oitenta mil dólares mais rico. E não, você nunca vai ser capaz de pegar o meu dinheiro. Trata-se de uma conta secreta nas Ilhas Cayman. Eu sabia que você iria me dar novamente outra garota. Eu pegaria mais oitenta mil. Eu cuidaria de você enquanto eu transferiria nossos ativos para essa conta, e então o meu filho e eu viveríamos confortavelmente nos trópicos. Me deixe segurar isso para você, não acho que você tenha coragem para fazer... isso." Phillip começou a rir, e eu disparei outra vez, bem por cima do ombro, quebrando o vidro da gaiola.

"Eu não quero o seu dinheiro sangrento. Aqui está um fato pouco divertido para você, estou atualmente com pouco menos de um milhão graças a meus pais. Então. O casal que tem Jessica. Eu entendo que eles estão em Salem. Onde em Salem, Phillip?"

"Sua maldita idiota, é Salisbury!" Phillip gritou com um sorriso. Eu disparei outra vez, pegando de raspão seu braço.

"Salisbury, Salem. Eu acho que, dadas as circunstâncias, a confusão é compreensível. Agora, onde em Salisbury eles vivem?"

"Eu não sei! Essa é a verdade! Tudo que eu sei é que ela é uma dona de casa e ele é um executivo. Dr. Keats disse que você tinha ido longe demais para abortar ela, e havia muitos registros que mostravam gêmeos. Nós não podíamos simplesmente nos livrar dela, então ele me colocou em contato com o advogado. Nós nos encontramos algumas vezes, e uma vez que os gêmeos nasceram, ele a levou para eles. Nesse meio tempo, uma conta foi criada em meu nome nas ilhas, e no dia seguinte ao nascimento de Henry nasceu, os fundos foram transferidos."

"E a Dr. Whiting? Meus pais? Eles eram apenas danos colaterais?"

"Keats pagou alguns bandidos de rua com comprimidos para tomar conta dela. Seus pais, isso doeu. Literalmente. Eu tive que bater deliberadamente o carro, mas pelo menos eu tive a presença de espírito para soltar o cinto de segurança da sua mãe antes da batida. Seu Pai? Bem, isso foi apenas sorte, eu pensei que eu ia ter que quebrar o pescoço dele." Eu coloquei o cano contra a testa dele, as lágrimas sendo derramadas.

"Dê-me uma razão pela qual eu não deveria puxar o gatilho agora."

"Porque sem mim, você nunca vai ter esse bebê precioso de volta. Em segundo lugar, ninguém vai acreditar em você. Finalmente... você vai fazer de qualquer maneira." Phillip me olhou bem nos olhos enquanto eu recuava e puxava o gatilho.

Ele caiu morto. Eu deixei a arma cair, e me bati, as costas em primeiro lugar, bem no armário de vidro. Eu gritei quando senti o vidro perfurar minha pele e moer-se em meus ombros. Peguei o telefone do bolso, manchado de sangue e disquei 911.

"911, qual a sua emergência?" O operador pediu calma.

"SOCORRO! Meu marido está tentando me matar! Ele tem uma arma! AHHHHH!" Comecei a chorar e respirar desesperada.

"Senhora, eu preciso que você se acalme. Eu vejo que você está no 7816-[em branco], estou enviando ajuda, você pode ficar na linha?"

"Sim, Eu - Phillip, não! NÃAAAO!" Eu bati no botão e desliguei, caminhei até meu marido morto, e envolvi sua mão ao redor do telefone, borrando suas impressões digitais na tela.

Os policiais estavam a caminho, olhei em volta para ver se havia alguma coisa que eu tinha perdido. Não. Eu tinha hematomas frescos e sangue, que estava nos nós dos dedos e mãos Phillips. Eu tinha a sua pele e sangue sob as unhas, e estava faltando punhados de cabelo em minha cabeça - que ele tinha sobre ele. Tudo parecia exatamente do jeito que eu precisava.

Eu corri para cima e agarrei Henry, que estava dormindo docemente. Eu carreguei-o suavemente até o andar de baixo, chorando tanto que eu estava soluçando. Eu sentei de pernas cruzadas no canto do nosso hall de entrada, balançando para frente e para trás com meu filho mexendo e, curiosamente, olhando ao redor. Foi assim que a polícia me encontrou quando eles arrombaram a porta. Eu lamentei que ele tenha tentado me matar e que eu tinha usado a arma contra ele em legítima defesa. A julgar pelos olhares em seus rostos, como a cena do crime estava e o vidro fincado em meu ombro, eu diria que eles concordaram.
_________________________________________________________________________________

CONTINUA...

17 de mai de 2015

NES Godzilla - Trance


Eu ainda estava muito chocado pelo último nível quando eu comecei “Trance". A música do mapa de Trance não fez nada para aliviar a tensão.

Como vou descrever isso...

Você já ouviu o tema de Videodrome? Essa era a coisa mais próxima da qual eu podia comparar.

Eu chequei para ver qual era o novo monstro, e era Orga. Um monstro que não fez sua estreia nos filmes até 2000, aparecer num jogo feito em 1988. Não tinha jeito desse jogo ter sido feito em 1988!


Aqueles caras do Toho podiam ser espertos, mas estou certo de que eles não podiam ver tudo em um futuro distante. Se pudessem, eles nunca dariam ao Roland Emmerich os direitos para fazer um filme do Godzilla.

Não, isso só podia ser um hack de algum tipo. Quem criou esse hack? Quando? Onde? Como? E o mais importante, porquê? O “porquê? ” Foi a questão que mais me incomodou.

Meu pensamento imediato, foi pensar que Billy fez isso para me trollar. Mas isso não podia estar certo. Billy nem mesmo sabia como criar um hack de ROM. E se soubesse, ele iria fazer algo simples e estúpido, como substituir os monstros com genitais cruelmente desenhadas. A menos que Billy tivesse incríveis habilidades de edição, e um sério traço sombrio em sua imaginação, no qual ele nunca me contou. Ele não poderia ter feito isso. 

Seria mesmo possível colocar um ROM hackeado num cartucho?

Diante disso tudo, meus olhos desenharam um caminho até um novo ícone no mapa: Um ponto de interrogação. Eu estava realmente curioso para ver o que ele fazia.


Estou certo de que você também está curioso, então irei explicar o “Quiz Level” desde que eles começaram a aparecer. Havia um desses por mapa, daqui a diante, e eles sempre apareceriam perto no início do mapa.

Quando você iniciava um “Quiz Level”, você chega numa tela como essa:

 “Você gosta de cães? ”

Como você pode ver, há uma pergunta no topo, um “sim” e um “não” em botões, e um emoticon no centro. Eu me refiro ao emoticon como “Cara” (bem criativo, eu sei), e por conveniência, me irei referir à “Cara”, como se ela estivesse fazendo as perguntas.

A música dos “Quiz levels” era uma trilha que realmente estava no jogo. É uma que toca quando você tenta usar o cheat “Gh1d0ra” e é enviado para um nível não jogável.

As caras te faziam doze perguntas de verdadeiro ou falso, e você movia seu monstro pelos botões de resposta.

Quando você respondia, as questões desapareciam e a cara mudava de expressão por oito segundos, então ela ficava neutra e uma nova questão aparecia. Não havia tempo limite e nem mesmo respostas certas ou erradas.

As caras não haviam respeito pela idade pessoal dos jogadores, e fazia algumas perguntas perturbadoras e pessoais, por exemplo: (Você gosta de machucar pessoas?), (Você já matou alguém?), (Você já estuprou alguém?), (Você já foi molestado por um membro da família?).

Outras vezes ele fazia perguntas que eram tediosamente estúpidas como (“O sol é quente? ” E “A água é molhada? ”) Ou apenas perguntas rasas e ridículas como (Seu cachorro gosta do presidente?) E talvez uma por quiz, a cara iria te fazer uma pergunta sobre o jogo.

Uma exceção: A expressão da cara parecia não surtir efeito no jogo, exceto indicar o que o criador do jogo pensou da sua resposta. Suas reações raramente faziam efeitos, e de primeira, eu achei que eram aleatoriamente geradas.

As questões nunca seguiram um padrão, as caras nunca ficavam no mesmo assunto por mais que duas questões. Às vezes, haviam questões que me fizeram pensar que as caras estavam tentando me levar à algum lugar, mas logo depois perguntavam algo estúpido.

Estão aqui as expressões das caras que vi enquanto jogava...

Irei dividi-las em duas categorias: As expressões que eu entendi e as que eu não entendi.

Primeiro estão as expressões que eu entendi:


  1. Neutro, sua expressão padrão.
  2. Nervoso (Se você tentar atacar a cara, sua expressão mudava para isso. Mas nada mais acontecia).
  3. Triste
  4. Feliz
  5. Doente
  6. Maníaco (Cara usada quando ele estava sendo um cuzão. Você vai entender o que eu digo depois.)
  7. Surpreso
  8. Amando
  9. Irritado
  10. Confuso
  11. Culpado/Ferido
E aqui estão as outras:

Dois desses apareceram apenas uma vez (Números #1 e #12), e eu suspeitei que elas estavam nas piadas do criador. Suas respectivas perguntas foram “Você gosta de sorvete? “ E “Você é um cara confiável? “.

Para as questões do primeiro Quiz: Felizmente, eu tinha uma caderneta e uma caneta ao meu alcance, então eu peguei uma para anotar as coisas, e algumas vezes eu desenhava nela quando entediado. Então quando o primeiro quiz começou, eu pensei que eu iria gravar o que o que aconteceu.

Estou feliz que sim.

Estão aqui a primeira série de perguntas, minhas respostas e a reação da cara:

Quiz 1
  1. Você gosta do jogo?
    Resposta: Sim, Reação: Feliz.
  2.  Você está com medo?
    Resposta: Sim, Reação: Surpreso.
  3.  Você é maior de dezoito?
    Resposta: Sim, Reação: Cara estranha Número 5
  4. Pássaros têm dentes?
    Resposta: Não, Reação: Amor.
  5. Manteiga de amendoim é bom?
    Resposta: Não, Reação: Doente.
  6. A lua gira?
    Resposta: Sim, Reação: Cara estranha 11
  7. Você tem um emprego?
    Resposta: Sim, Reação: Confuso.
  8. Você gosta de ferir pessoas?
    Resposta: Não, Reação: Irritado.
  9. O sol é quente?
    Resposta: Sim, Reação: Triste.
  10. Gosta de cães?
    Resposta: Sim, Reação: Feliz.
  11. O presidente é bom?
    Resposta: Sim, Reação: Cara estranha 3
  12. Seu cão gosta do presidente?
    Resposta: Não, Reação: Nervoso
Agora que eu já expliquei tudo isso, hora da gameplay.

Após esse nível de quiz, eu experimentei o primeiro ícone verde (e novo).


Wow! Talvez esse era o porquê do jogo ser tão estranho – um dos designers estava claramente drogado!

Piadas à parte, eu estava bem impressionado com os gráficos desse nível e o quão desorientador ele era (Mas ainda odeio aquelas estátuas assustadoras, com olhares vagos). A música tinha uma hipnótica vibe Techno-Indiana.

Haviam dois novos inimigos nesse nível: Uma coisa fantasma voadora com um tanque, e um morcego com um crânio de cavalo no lugar da cara. Eles apareciam aleatoriamente, mas tive sorte ao tirar a screencap de ambos:


Então eu prossegui para um nível das montanhas azuis, esperando outra caminhada boa, calma. Perdi meu tempo caminhando, e fui completamente pego de surpresa quando isso aconteceu:


Um “Não-Moguera” veio rapidamente contra mim e tirou um pouquinho da vida com seu tentáculo! Apenas me tomou dois minutos para matar ele sem ter que me preocupar com o tempo limite, mas os chefões NUNCA apareceram nos níveis (novamente) no jogo normal. Eu estava preocupado com as regras que o jogo iria quebrar.

Após outra fase das montanhas azuis, era hora de lutar com o “Não-Varan”, que foi substituído por uma das coisas mais bizarras do jogo:


A estranha criatura te atacava com chutes, e também abrindo seu peito e atirando mísseis de caça... eu ainda não me acostumei.


Os mísseis às vezes eram dolorosos de se lidar, mas eu vi que você podia abanar eles com a cauda. “Not-Varan” foi provavelmente o mais fácil das substituições.
O mesmo não podia ser dito para o “Não-Hedora”.

Aparentemente a origem dos cavalos-morcegos, “Não-Hedora” foi o mais agravante e difícil dos monstros para se lutar com. Ainda mais por causa da sua habilidade especial: Ele poderia gritar e invocar um monte daquelas coisinhas de sua espécie.
Eu sabia que haviam apenas dois na screencap, mas todas as vezes que ele fazia isso, mais de dez deles chegavam.

A AI tomava vantagem das distrações e atacava duas vezes mais rápido enquanto os cavalos-morcegos estavam voando em volta.


Ainda muito irritado sobre isso, eu fui para outro templo verde para matar alguns inimigos para restaurar minha vida. Interessantemente, nenhum dos cavalos-morcegos apareceram após a derrota do “Não-Hedora”. E então eu tive uma idéia:

Se matar todos os monstros fazia o Cara-Vermelha aparecer, o que aconteceria se eu evitasse de lutar com Orga e fosse de volta para base?

Então eu tentei:
 
“Não há monstros aqui. ”

O jogo me dizia que não havia monstros ali, quando eu tentei começar o nível base. E imediatamente depois, o jogo tomou controle da minha peça do Godzilla e o moveu para Orga. Meu truque não havia funcionado, então eu tentei me preparar para outra corrida. Mas primeiro, eu tinha que derrotar Orga.


A luta contra orga confirmou outra coisa: “Seja lá quem criou aquele hack, era claramente um fã do Godzilla. Não apenas por quê eles pegaram um monstro como Orga, mas porque eles implementaram algo que aconteceu em “Godzilla 2000” de um jeito muito preciso e rápido.

O primeiro ataque de Orga foi um soco e um raio de calor de sua cavidade do ombro. Mas uma vez que você tinha tomado metade de sua vida, ele fazia algo novo: Ele abria suas presas e tentava engolir Godzilla, e no processo, roubava sua vida e energia!


Mas então, ele me mostrou uma nova fraqueza: Atirar um raio de calor em sua boca tomaria devastadoras quatro barras de sua régua de vida!

Com aquela fraqueza revelada, logo derrotei Orga, e fora o tanto que eu esperava, a cara vermelha apareceu no mapa aonde a base estava, e a música parou.


Eu me preparei o melhor que pude. Comecei o nível, e vendo o quanto era parecido com o primeiro, eu não gastei um milissegundo antes de eu começar a tomar uma atitude.
Brevemente encontrei obstáculos na forma de um bloco de chão, suspendidos no ar. Na maioria deles você podia pular ou destruir, já em outros, você podia se abaixar e passar por baixo deles.

Após quarenta segundos nessa droga, ouvi um ruído crescente horrível e vi a besta aracnídea me seguindo, bem atrás de mim. Pilhas de obstáculos pouco o paravam, pois ele voltava e então se enfurecia pelo caminho, as esmagando em pedaços. E quando os obstáculos menores ficavam em seu caminho, ele expandia suas presas e engolia-os por inteiro:

“Corra”

Estava com medo, mas com o pensamento rápido e apertando o botão rapidamente, eu fugi dele novamente.  Eu me senti muito feliz, então eu gargalhei e disse “Dessa vez não, cuzão! ” E decidi tirar uma screencap para celebrar.

Mas quando eu disse a frase, bem depois do nível terminar, o monstro fez algo que fez meu sangue correr frio.

Aquela coisa...

Olhou para mim.


“Corra”

A onda de terror mortal me atingiu novamente, e certamente eu não estava rindo mais.



Tirei outra screencap do próximo título, do próximo nível, bem antes de correr ao banheiro para jogar uma água na minha cara. (E dar a mijada que e eu quase falhei ao conter quando aquela coisa fodida olhou para mim.)


Continua...
____________________
PS: Creepers, a Flávia teve alguns problemas com o PC dela, então ela vai postar a creepy de sábado, amanhã à noite.